Seja bem vindo
Petrópolis,27/02/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Desmatamento da Mata Atlântica reduz 66% no Rio de Janeiro em 2023

Programas como Florestas do Amanhã e Olho no Verde impulsionam estes índices favoráveis no estado


Desmatamento da Mata Atlântica reduz 66% no Rio de Janeiro em 2023 Divulgação

Números entre janeiro e agosto de 2022 e 2023, do estudo divulgado pelo novo boletim do Sistema de Alertas de Desmatamento (SAD) Mata Atlântica, mostram que o Rio de Janeiro avançou na diminuição da área desmatada de Mata Atlântica. De 367 hectares ano passado para 123 em 2023, o que representa um índice de 66%, superior à média nacional (59%).

O Rio de Janeiro encontra-se inserido nesse bioma, sendo que hoje seus remanescentes ocupam cerca de 17% da área total do estado, computando-se os diversos ecossistemas associados à Mata Atlântica.

Para o vice-governador e secretário de estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Thiago Pampolha, a redução está ligada à política de meio ambiente implementada pelo governador Cláudio Castro.  

 "Com a COP28, que tem início hoje, as atenções do país e do mundo estão focadas no combate ao desmatamento e em suas consequências para as mudanças climáticas. Com os resultados apresentados no nosso Estado, temos a certeza de que nossos projetos e iniciativas estão no caminho certo, fruto de muito trabalho, integração entre as esferas municipais, estaduais e iniciativa privada e, sobretudo, inovação. A meta é reforçar investimentos e buscar mais parcerias para 2024", expôs Pampolha.

O Programa Florestas do Amanhã é uma iniciativa da Secretaria do Ambiente e Sustentabilidade que visa restaurar a mata atlântica e conta com investimentos do Governo na ordem de 100 milhões de dólares, por meio do Fundo da Mata Atlântica. Somam-se a este esforço de investimento para a escala da restauração aproximadamente mais 36 milhões de dólares da parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) por meio do Programa Floresta Viva. São 440 mil hectares a serem restaurados até 2050, contribuindo com 159 milhões de toneladas de CO2 absorvidos pela biomassa aérea, além do grande potencial de absorção pelo solo tropical e manutenção hídrica das regiões.

 "Para 2024 a iniciativa prevê investimentos de pagamento por serviços ambientais, possibilitando desenvolvimento direto dos produtores e proprietários rurais nas ações de restauração florestal contribuindo também na segurança alimentar. Além de promover a restauração da Mata Atlântica, a iniciativa tem impacto na economia ao gerar empregos verdes e traz importante contribuição para o alcance das metas globais de mitigação das mudanças climáticas", complementou Pampolha.

Publicidade



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.